Confira 11 dicas essenciais para você que está iniciando sua jornada como programador.

A tecnologia, das mais diversas formas como a conhecemos, cada vez mais faz parte das atividades que realizamos em nosso cotidiano e vem revolucionando muito daquilo que funcionava sem depender de nenhuma integração com sistemas eletrônicos e redes de telecomunicação.

Em proporção direta, cresce a demanda por profissionais que detenham conhecimento técnico para operar nessa Era da Informação e que possuam a visão necessária para repensar antigos modelos de negócio, processos que possam ser otimizados e produtos que possam ser criados.

Essa demanda, gerada por essas empresas, já é bastante sabida pelo público em geral, o que vem fazendo com que, nos últimos anos, cursos de especialização e formação superior que envolvam linguagens de programação visando a engenharia de software tenham sido cada vez mais procurados.

E essa procura não ocorre apenas por parte de jovens recém-saídos do ensino médio; muitos adultos que buscam qualificação formal ou então uma troca na sua área de atuação também estão querendo fazer parte desse mercado tão promissor.

Diante disso, selecionamos as 11 dicas que consideramos como as mais importantes para você, que iniciou recentemente ou que está prestes a iniciar seus estudos em uma linguagem de programação, para começar sua jornada com o pé direito.

• Leia também: Linguagem de programação: quais as melhores áreas para se especializar

11 dicas para começar a estudar programação

1) Pesquise sobre o mercado de tecnologia e seus nichos

Antes de tudo, se você quer atuar no mercado de tecnologia, precisa começar a conhecê-lo. Pelo menos, é necessário ter uma ideia geral de como ele gira, quais são suas áreas mais tradicionais, quais estão sendo mais comentadas, quais podem trazer as maiores inovações, e por aí vai.

Se você já acompanha blogs, canais de YouTube e sites que trazem notícias, isso já pode ser de grande ajuda. No entanto, é igualmente interessante que você vá mais a fundo e busque sites e publicações mais especializados, com informações realmente direcionadas para quem atua profissionalmente no meio.

2) Pesquise sobre cargos, funções e carreiras

Além de definir a linguagem de programação que você deseja trabalhar, é importante conhecer também os principais cargos oferecidos no mercado de trabalho. Existem diferentes nomes e níveis hierárquicos, entre os mais comuns estão os cargos com nome de programador, desenvolvedor e analista de desenvolvimento. Além do cargo, existem classificações de acordo com a experiência dos profissionais, como: júnior, pleno e sênior.

É claro que, quando você se lançar no mercado de trabalho, pode ser que você se depare com algumas diferenças entre cada empresa. No entanto, de um modo geral, o mercado possui razoável padronização em termos de cargos, salários e afins.

Por isso, o quanto antes você começar a conhecer esses cargos, melhor será sua compreensão acerca de como as coisas funcionam e quais são suas possíveis portas de entrada.

3) Conheça os diferentes cursos superiores e graduações

Hoje em dia é bastante grande a oferta de cursos superiores que podem lhe ajudar a entrar no mercado da tecnologia como desenvolvedor.

Pode ser que muitos apontem o famoso curso de Sistemas de Informação como sendo a única opção, mas a realidade é que você encontra cursos técnicos, graduações e várias outras faculdades que podem servir a esse propósito.

4) Pense nas coisas que mais lhe atraem

Tendo pesquisado sobre o mercado, cargos e cursos, você já deverá ter conhecimento suficiente para começar a desvendar quais são as áreas que mais lhe atraem e que tipo de trabalhos você gostaria de realizar.

Seria trabalhar com bancos de dados? Desenvolvimento de softwares? Ou para a web? Quem sabe criar aplicativos para smartphones e tablets?

Ter isso em mente será crucial para você cumprir a próxima dica que temos para lhe dar.

5) Descubra a aplicabilidade das diferentes linguagens de programação

Não são poucas as linguagens de programação que hoje são utilizadas e requisitadas pelo mercado – e cada uma delas tem suas particularidades e curva própria de aprendizado.

Como é de se esperar que você não conseguirá saber tudo de todas as linguagens, você precisará de foco, e isso significa saber qual linguagem é mais adequada para aprender para que você consiga desempenhar o tipo de trabalho que você gostaria.

Enquanto algumas têm finalidade e aplicação bastante específicas, outras são muito versáteis e podem servir a uma variedade de fins, como é o caso do Java. Porém, para todos os efeitos, caberá a você decidir qual delas será a primeira em que você quer se tornar um especialista.

• Leia também: 7 desafios do mercado de trabalho de um programador 

6) Conheça cursos complementares e de especialização

Além de uma graduação, que é importante que você tenha, também é bastante recomendado que você busque cursos que complementem a sua formação como programador ou desenvolvedor.

Na V.Office, por exemplo, você encontra cursos de diferentes níveis e que abordam tópicos essenciais para quem busca começar a atuar profissionalmente ou então aprimorar seus conhecimentos e se destacar no mercado.

7) Comece seus estudos e coloque a mão na massa

Esse é o momento de lembrar do ditado que diz que toda jornada, não importa quão longa, sempre começa com um primeiro passo. Mesmo que você ainda não tenha passado no vestibular ou feito sua matrícula/inscrição em algum curso para aprender uma linguagem de programação, você não precisa esperar para começar seus estudos.

Mais que isso: o quanto antes você começar a colocar a mão na massa, melhor. E esse é um dos pontos positivos de quem busca aprender a programar: você pode começar a fazer seus próprios testes e experimentos em seu próprio computador.

Não tenha medo de cometer erros ao escrever suas primeiras linhas de código – essa é uma parte natural e absolutamente vital do processo de aprendizado. Comece hoje mesmo!

8) Pesquise e conheça certificações que podem alavancar seu currículo

Nos ramos da tecnologia da informação, a busca por certificações é um assunto que sempre está em alta e que sempre é comentado por profissionais da área.

Independentemente de quais especialidades você estiver tentando desenvolver, é bem provável que existam certificações que poderão atestar os seus conhecimentos na hora de procurar por oportunidades de trabalho e até mesmo melhorar o seu salário.

Nesse aspecto, mais uma vez, há cursos disponíveis que podem servir como uma preparação específica para que você conquiste certificações reconhecidas mundialmente, como é o caso das certificações da Oracle.

9) Mantenha-se sempre estudando e investindo no seu aprimoramento

Se você pensa em se tornar um programador para aprender a fazer as coisas de um certo jeito e nunca ter que repensar ou aprender nada, você provavelmente não serve para ser um programador.

Agora, se você pensa em se tornar um programador e sente ânimo para trabalhar num mercado dinâmico, que evolui constantemente e que exige que seus melhores profissionais estejam sempre aprendendo, aprimorando-se e concebendo novas formas de solucionar problemas, então você tem potencial para se tornar um bom programador.

Por isso, nunca tire da sua lista de prioridades e atividades o estudo e o investimento na sua educação, pois são essas coisas que lhe trarão cada vez mais oportunidades e alavancarão sua carreira.

10) Especialize-se em mais de uma linguagem

Digamos que você estudou, praticou e trabalhou muito, e enfim pode dizer que é um bom programador na linguagem X. E agora? Agora é a hora de ficar bom numa segunda linguagem.

É preciso pensar que cada linguagem é uma ferramenta. Adquirir amplo conhecimento numa ferramenta específica, buscando certificados e afins, é excelente para que você seja reconhecido.

No entanto, é extremamente benéfico para seu currículo que você também detenha conhecimentos em outras linguagens ou outras ferramentas, porque isso pode significar que você pode resolver uma gama maior de problemas e se destacar em meio àqueles que sabem trabalhar apenas com uma linguagem.

11) Desenvolva um pensamento crítico e preze pela inovação

Aprofundando um pouco mais a dica número 9, queremos falar sobre a importância do desenvolvimento de um pensamento crítico e de uma mentalidade que preze pela inovação.

Essas duas qualidades estão entre as mais valorizadas e recompensadas atualmente em profissionais de qualquer área, mas especialmente entre programadores e engenheiros de software.

Isso porque é esse mindset que servirá como base para que, mesmo diante de tarefas altamente operacionais e sendo funcionário de uma empresa, você possa pensar como empreendedor e mostrar que está disposto a ir além da média.