se tornar programador

Se você quer se tornar programador, é bom saber que a profissão ainda não é regulamentada no Brasil e, apesar de não haver exigência de diploma para atuação, ter um curso superior na área de tecnologia, bem como fazer cursos e obter certificações, são extremamente bem vistos pelos empregadores.

A média salarial de programador no país varia muito, tanto em relação à região como à área de atuação. De acordo com uma tabela do Sine, o salário inicial de trainee está entre R$ 1.700 e R$ 2.900, conforme o tamanho da empresa.

Confira o caminho das pedras para se tornar programador

Interessado em ingressar no setor de Tecnologia da Informação, um dos que mais cresce e gera empregos no Brasil? Segundo um levantamento da Associação para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro (Softex), estima-se que em quatro anos o país terá um déficit de até 408 mil profissionais de TI. Aqui no blog nós já até apresentamos algumas dicas para quem busca entrar na área, que é bem ampla e abrangente.

Saiba que muito estudo, além de reciclagens constantes, são a base da formação para quem quer se tornar programador.  Para te ajudar nessa tarefa, nós preparamos 10 passos para você chegar lá!

1 – Gostar de tecnologia, estar antenado às novas tendências do setor, ter um perfil de estudo autodidata são características essenciais. Se você ainda não tem certeza de que se encaixa na profissão, faça um teste. Acesse o diagnóstico “Você tem perfil para trabalhar em TI?”: e responda a perguntas simples que ajudarão a aumentar suas chances de sucesso na área.

2 – Já viu que essa é realmente a sua praia? Ótimo. Agora você precisa ter um equipamento para estudo e trabalho. Não precisa pensar em sair comprando um computador de última geração logo de cara, mas contar com um equipamento que permita a instalação de uma ferramenta de programação será muito útil. Alguns ambientes de desenvolvimento até rodam sem instalação, só copiando. Porém,  mas a maioria necessita de instalação.

3 – Não tem nenhum computador próprio? Busque alternativas como usar o da sua faculdade, em bibliotecas públicas ou até emprestado de amigos ou familiares. A força de vontade pode falar mais alto do que a falta de recursos. Pense nisso!

4 – Só tem à disposição um computador antigo e lento, como o bom e velho Pentium 100 Mhz com 64MB RAM? Isso não deve ser desculpa para você deixar de programar. A solução aqui pode ser instalar um Turbo C++ da Borland ou um Linux Debian sem KDE/Gnome e usar o GCC, considerando que a programação está sendo feita em Visual Basic 6 e Visual C++ 6, por exemplo.

5 – Ter uma boa noção de inglês ajuda muito. Isso porque ainda há poucos materiais sobre programação em português. Então se o seu nível de inglês é básico ou até nulo, talvez seja o caso de pensar em começar um curso do idioma. É claro que é possível começar a programar sem saber inglês, mas para se tornar programador excelente será necessário dedicação nisso também.

6 – Chegou a hora de se especializar na área. Para isso, há uma série de cursos disponíveis, presenciais e online, em diversos níveis, como: cursos livres de curta e média duração, cursos de nível superior tecnólogo e bacharelado. Além de opções pagas, há, ainda, opções gratuitas e muitos tutoriais disponíveis na internet. Confira aqui um calendário de capacitações em tecnologia que podem te ajudar nesse início de carreira.

7 – Seguir fóruns e grupos de discussão também é uma excelente forma de acompanhar as novidades e buscar indicações de cursos mais atualizados com pessoas que já atuam na área.

8 – Pode soar óbvio, mas programação se aprende programando! Depois de conhecer a teoria (que não será pouca e que, muitas vezes, pode parecer complexa), vá logo para a prática. É isso que vai te ajudar a absorver melhor a enorme quantidade de informações que você vai estudando ao longo do tempo. Por isso, programe muito, faça testes, análises, troque ideias com outros estudantes e profissionais. Compare linguagens e explore esse novo ambiente.

9 – Você já está conhecendo um pouco da área e agora poderá identificar qual tipo de programador você quer ser. Há diversos tipos de programador, que vão desde o um único sistema operacional ou conjunto de sistemas operacionais, programador de plataforma independent, programador de sistemas, programador de drivers, programador compilador, até cientista da programação.

10 – Para começar de fato, você pode optar por uma linguagem de programação que lhe pareça mais fácil para iniciantes, as mais comuns são C++, Java ou Python. Mas para essa escolha, um bom critério pode ser a quantidade de informações que estão à sua disposição sobre certo tipo de linguagem. Outra dica é aprofundar os estudos gradualmente conforme surge a necessidade. Por exemplo, você está programando um sistema usando C++ e quer melhorar? Estude mais a fundo C++, busque livros e tutoriais para ajudá-lo.

Linguagens de programação são a base de softwares e sistemas operacionais, portanto vai ser praticamente impossível que não tenham oportunidades de trabalho quando você se tornar programador! Tem alguma dica adicional ou sugestão? Compartilhe conosco no espaço dos comentários.